Conheça a Víbora vermelha de Dorne

Oberyn Martell - A Víbora vermelha

Oberyn Martell – A Víbora vermelha

Continuando com as postagens sobre Dorne falaremos agora sobre um de meus personagens preferidos da Casa Martell, Oberyn Martell.

Príncipe Oberyn Nymeros Martell, conhecido como Víbora  Vermelha, é ao contrário de seu irmão Doran o cabeça quente da família. Ele tem oito filhas bastardas, chamadas as serpentes de areia (Um nome bem irado) ,filhas dele e de sua amante  Ellaria .

Oberyn era um homem forte robusto com um raciocínio rápido e língua afiada. Ele estudou na Cidadela por um tempo, e  forjou vários elos de Meistre , mas acabou se entediando e deixou a ordem. Oberyn  viajou o mundo, e fundou sua própria companhia de mercenários. Ele tinha uma relação muito próxima com a irmã Elia e eles eram inseparáveis quando crianças.

Em sua juventude, Oberyn  foi encontrado na cama com a amante do Senhor Ormond Yronwood , de modo que o senhor o desafiou para um duelo. O duelo foi até o primeiro sangue, dada a juventude do príncipe e do alto nascimento , e ambos tomaram cortes. As feridas Senhor Ormond inflamaram e ele morreu. Oberyn tem sido conhecido como o “Víbora vermelha”, por seus  amigos e inimigos, devido a rumores de que ele lutou o duelo com uma lâmina envenenada.

Oberyn tinha viajado extensivamente as Cidades Livres, onde aprendeu muito sobre venenos e artes talvez até mais macabras.

Oberyn, é bom pai dedicando atenção e bens materiais ás suas filhas bastardas, de forma que elas cresceram independentes e se tornaram grandes guerreiras(Coisa rara de acontecer aos bastardos em Westeros) .

Oberyn é também o principal responsável por uma disputa em curso entre a sua casa e a Casa Tyrell , porque ele acidentalmente teria aleijado Willas Tyrell em um torneio , embora Willas não mantenha rancor contra ele.

Os trechos abaixo contém Spoilers do 3° livro dá série A Tormenta de Espadas.

Eventos Depois do assassinato de Elia

Oberyn teve uma relação muito próxima com a irmã Elia .

Após o saque de Porto Real , quando soube que ela foi estuprada e assassinada por um cavaleiro jurado a Casa Lannister, Gregor Clegane , junto com seu filho, ele tentou levantar Dorne em apoio Viserys . Desejando vingança desde então.

Ele e seu irmão Doran trabalharam em segredo durante anos, pensando em pôr fim ao reinado de Robert Baratheon e destruindo Casa Lannister , Oberyn viajou para Bravos onde Viserys Targaryen e Daenerys Targaryen estavam sendo mantidos pelo Ser Willem Darry e assinou um pacto secreto em que  Viserys se casaria com de Arianne Martell em troca de ajuda Dorne em reivindicar o trono. Outros possíveis protagonistas desta trama eram Varys , Magister Illyrio Mopatis de Pentos, Jon Connington e Ser Myles Toyne , o comandante da Companhia de Ouro .

Eventos Recentes

Oberyn contra Gregor Clegane

Oberyn contra Gregor Clegane

Príncipe Oberyn veio a Porto Real para reivindicar o assento no pequeno conselho em nome Doran e obter justiça para o assassino de sua irmã, como foi acordado com a Mão do Rei ,  Tyrion Lannister .  No entanto, logo ficou claro que a nova  Mão do Rei Tywin Lannister , queria renunciar a promessa.

Quando Tyrion foi acusado da  Morte de Joffrey , Oberyn foi um dos juízes. Um dia antes de a sentença ser pronunciada Oberyn se ofereceu para ser campeão Tyrion em um julgamento por combate . Sabendo que Ser Gregor seria seu adversário.

Apesar de sua enorme desvantagem física, Oberyn conseguiu ferir Clegane várias vezes e incapacitá-lo. Com  a  Montanha as portas da morte  Oberyn tentou arrancar uma confissão de assassinato dele mas, Clegane conseguiu agarrar Oberyn e esmagar seu rosto com o punho blindado , matando-o. Oberyn alcançou vingança póstuma por ter revestido a sua lança em um tipo especial de veneno, deixando Clegane morrer lentamente e em agonia tremenda.

Anúncios

Game of Thrones Makeup Effects by Creature Inc. Ltd

Uau… a produtora responsável pela maquiagem de várias cenas “intensas” de Game of Thrones publicou em sua página do Facebook algumas imagens de bastidores da 1ª e 2ª temporada da série. Algumas cenas a seguir são NSFW, cuidado.
Sim! É a barriga grávida de shadow baby! Só não sabemos se a modelo é a Carice Van Houten mesmo...

Sim! É a barriga grávida de shadow baby! Só não sabemos se a modelo é a Carice Van Houten mesmo…

 

Jory Cassel

Jory Cassel

 

Mais imagens aqui. Viram que são os mesmos caras responsáveis pela maquiagem dos “Engenheiros” em Prometheus, do “Heath Ledger” em Cavaleiro das Trevas, “Nicole Kidman” em As Horas,e etc? O trabalho deles é infinitamente inspirador…

Conheça Dorne

Dorne é uma das localizações mais legais do mundo de George R. R. Martin. Normalmente conhecemos Dorne pelo seu bom vinho.

Mas existe muito mais além disso. A primeira impressão que eu tive de Dorne quando li os livros, foi de estar em um jogo do Príncipe da Pérsia. Porém muito mais legal.

Mapa de Dorne com suas principais fortalezas

Dorne é a região mais quente de Westeros. A região é rochosa, montanhosa, árida e seca, e apresenta o único deserto no continente. Seus rios fornecem algumas terras férteis e mesmo durante um longo verão chove bastante e há outros suprimentos de água para manter Dorne habitável.  Recursos hídricos no interior são quase tão valiosos quanto ouro, e os poços são zelosamente guardados.

O dorneses descendem dos Roinares e de suas origens Ândalas e são conhecidos por sua liberalidade sexual.

Dorne fornece muitos produtos exóticos, que são incomuns no resto dos Sete Reinos, como frutas cítricas particulares e próprias Dorne e vinhos especiais. Limões, azeitonas e romãs vêm principalmente de Dorne. Muitas destas plantas são cultivadas com o auxílio de canais que trazem a água de correntes e rios. Dorne também é famosa pelo corcel de areia, um tipo de cavalo magro, mas rápido, criado apenas em Dorne, que pode correr por até dois dias antes de se cansar.

Os Primeiros Homens vindos de Westeros, atravessavam a ponte de terra do Mar Estreito chamado de Braço de Dorne. Durante a grande guerra com os Primeiros Homens, as Crianças da Floresta quebraram o braço em uma tentativa de deter sua chegada, criando assim o Braço Partido.

Arianne_martell

Arianne Martell Um dos mais importantes  membros da casa Martel.

Mil anos atrás, Dorne era uma liga de estados Ândalos e pequenos reinos, com nenhum governante forte o suficiente para assumir o controle de toda a região, até a invasão Roinar liderada pela lendaria Rainha Guerreira Nymeria. Ela fez aliança com Lorde Mors Martell de Lançassolar, e com o seu apoio conquistou toda a península, criando o Reino de Dorne com a Casa Martell como seu regente.

Rainha Nymeria

Rainha Nymeria

Espero que tenham gostado. Logo estaremos postando mais sobre os personagens da casa Martell.

História e Tradição – A Ordem dos Meistres Legendado

Continuando a publicação dos vídeos da série sobre histórias e tradições de Westeros que estão nos “extras” do Box da primeira temporada, segue abaixo o vídeo que fala sobre a Ordem dos Meistres.

Os extras fazem parte apenas do BOX de discos Blu-Ray da primeira temporada, para comprá-lo clique aqui. Todos os extras legendados, estão reunidos nesssa lista de reprodução.

 

 

O vídeo está com legendas ocultas (i.e. não embutidas) para exibir clique em CC (veja como fazer aqui). Caso esteja utilizando um smartphone, abra o vídeo em um navegador (como o Safari) que as legendas serão exibidas.

Resenha do Livro: O Festim dos Corvos

Atenção: O texto a seguir está recheadinho de spoilers do livro em questão. Leia por sua conta.

Da direita para a esquerda: Euron, Aeron, Victarion and Asha (Os Greyjoy).

Da direita para a esquerda: Euron, Aeron, Victarion and Asha (Os Greyjoy).

O Festim dos Corvos, 4º livro da saga As Crônicas de Gelo e Fogo foi publicado originalmente nos EUA em 2005 (enquanto aqui no Brasil, o livro chegou traduzido em fevereiro de 2012). Focado nas personagens que atuam ao sul do Gargalo, o enredo é basicamente a fábula sobre o que aconteceu a Westeros quando o país não conseguiu carregar nas costas a dor das significativas perdas da guerra e suas consequências, e todas as pessoas parecem estar a beira de um precipício de loucura e caos. Nesse contexto, os corvos chegam para comer os restos (espirituais e materiais) deixados pelos falecidos, corvos estes que têm sua personificação em várias personagens e, especificamente em um novo jogador: Euron “Olho de Corvo” Greyjoy. Assim,  Jaime Lannister tenta limpar a sujeira do reino e consertar o que parece já estar quebrado pra sempre enquanto a irmã faz questão de bagunçar ainda mais tudo a seu redor, em uma tentativa de colocar como pano de fundo a história de um livro dedicado a explicar um dos aspectos mais polêmicos da história: o amor carnal que um sente pelo outro.

A primeira característica que o leitor estranha ao começar a folhear os livros é o fato de que alguns povs são nomeados com títulos (proféticos, talvez) e não com os nomes originais das personagens. Sem dúvida rola aquela sensação de “putz, esse livro vai expandir ainda mais o nível de polarização dos acontecimentos”, até porque, os personagens novos do livro possuem metade dos capítulos, e em alguns casos, apenas um para cada. Não sei em que circunstâncias você começou a ler esse livro, mas eu já sabia que ele contaria com metade dos acontecimentos posteriores à Tormenta de Espadas (enquanto o volume 5, Dança dos Dragões, contaria com a outra metade). Eu já sabia inclusive que o livro seria centrado em Porto Real, Dorne, Bravos, Correrrio e no Ninho da Água. Além das novas tramas trabalhadas nas Ilhas de Ferro, também somos apresentados a Dorne e as órfãs de Oberyn Martell, as Serpentes de Areia. Mulheres incríveis, destemidas, cheias de sede de vingança.

Arianne Martell

Arianne Martell

O prólogo é um dos mais enigmáticos, confusos e cheio de infomações de toda a saga. Do ponto de vista de Pate, um noviço da Cidadela de Vilavelha que estuda para um dia se tornar meistre, sabemos que as pessoas pouco a pouco estão começando a acreditar que os dragões realmente ainda existem e que, ali na Cidadela, existe um segredo envolvendo uma vela de obsidiana. Esse capítulo é todo especial por passar a sensação de que estamos dentro de um livro do Tolkien, ou no início de um jogo de RPG. Vários personagens novos e peculiares juntos conversando em uma taverna. Dá uma puta sensação de que eles estão ali pra começar uma jornada.

O papel de Brienne na história, personagem que possui o segundo maior número de povs, é basicamente personificar o sofrimento do povo em detrimento do conforto de seus respectivos reis e lordes. Em um de seus capítulos, vemos, inclusive, um verdadeiro monólogo lindíssimo proferido pelo personagem do Septão Meribald (página 325 do livro).: “… um dia, olham ao redor e percebem que todos os seus amigos e familiares se foram, que estão lutando ao lado de estranhos, sob um estandarte que quase nem reconhecem. Não sabem onde estão e nem como voltar para casa, e o senhor por quem combatem não sabe seus nomes (…) toda a noção de casa está perdida a essa altura, e reis, senhores e deuses significam menos pra ele do que um naco de carne estragada (…). O desertor sobrevive dia a dia, de refeição em refeição, mais animal do que o homem. A Senhora Brienne não erra. Em tempos como estes, o viajante deve ter atenção aos desertores, e temê-los… mas também deve ter piedade por eles.
O tom de sexo e violência possuem o mesmo tom de sempre, trazendo cenas fortíssimas: como esquecer o encontro de Arys e Arianne, ou as tantas passagens sangrentas da jornada absurda de Brienne? Além de claro, as terríveis histórias dos Greyjoy, cheias de dor e drama. Vemos também inserido aqui de maneira deliciosa as pequenas amarrações sensacionais na trama que ficam por conta de mindinho e Alayne Stone, e ainda o maravilhoso protagonismo de Cersei (agora rainha absoluta), que se mostra no ápice de sua “inveja do pênis”, colocando o reino às ruínas e enlouquecendo a mercê de uma profecia que, estranhemente, não pareceu ter tanta importância na vida dela antes. Não dá maneira como é retratada aqui. Infelizmente, como sempre, os vilões sempre trazem a ruína dos bons junto com a ruína própria. O que Martin faz com o “poder da religião” aqui é absolutamente maravilhoso. Ela dá o tempero do livro todo: a jornada do meistre Aemon, a Cidadela, a Fé Militante e o Deus Afogado nunca antes pareceram tão fervorosos e assustadores em sua crença. E é claro, Arya, e sua entrada tão enigmática no serviço do Deus das Muitas Faces.
Olho de Corvo e a filha bastarda de Lord Hewett (o homem com um rabanete na boca)

Olho de Corvo e a filha bastarda de Lord Hewett (o homem com um rabanete na boca)

A gata dos canais

A gata dos canais

O maior problema do livro é o fato de o enredo não possuir nenhuma reviravolta maravilhosa e absurda. E por conta de estarmos extremamente ligados a esse estilo de escrita de Martin, o livro deixa um gosto de “queria ter sofrido mais, queria ter chorado, queria ter jogado o livro da parede mais vezes e gritado – EU QUERO MINHA VIDA DE VOLTA, como fiz tantas vezes antes”. Além da clara sensação claustrofóbica das personagens femininas: o sufoco de Cersei e Arianne em certo momento da trama é idêntico, além de Alayne que o tempo todo não pode ser nada além de uma prisioneira. Isso reflete muito uma longa e angustiante espera que parece ser a nossa também, por tabela. Apesar de tudo e tanto, é uma leitura maravilhosa, da qual temos muita sorte de ter sido publicada e traduzida com menos de 5 meses de intervalo em relação ao próximo livro.

Pelo número de capítulos, este livro é de Cersei, que possui dez. Brienne possui oito, Jaime sete.  É quase um livro dos três, mas Cersei é estrela. É quase engraçado o fato de que ela não possuiu pontos de vista antes disso… Mas é claro, George gosta de mostrar as coisas na hora que tem vontade. Um claro exemplo disso é o “absurdo spoiler” que a gente ganha no meio da cara sobre Davos. Cersei é maravilhosa, porque é uma tragédia e não se dá conta disso, nem por um momento. Por mais que em alguns momentos ela esteja certa como mãe, a certo ponto da trama, isso não importa mais.

Algumas pessoas dizem que esse livro é quase que uma nova organização das peças no tabuleiro, com diversas associações ao cyvasse ou aos gatinhos de Tommem, por exemplo. Acho que não, porque em todo livro da saga isso acontece. Acredito que o livro mostra, mais do que nunca, o potencial de explorar as pequenas tramas dentro de tramas maiores e a insignificância delas nesse universo onde tudo é permitido, nada tem começo, e nada tem fim. São fábulas dentro de fábulas, na Canção de Gelo e Fogo. É tudo muito maravilhoso de ler. A narrativa é lenta, mas deliciosa. Se você chegou até aqui, é porque está apaixonado por ela, não seja hipócrita: você amou.

Acredito que é possível sim ver este livro e Dança dos Dragões de maneiras separadas (embora se você quiser se aventurar, é possível ler os dois livros ao mesmo tempo). Porém, muitas coisas que você deixou passar batido aqui explodirão na sua cara no próximo volume, o que é maravilhoso.

Clique aqui para ler a lista dos principais spoilers do livro.

História e Tradição A História da Patrulha da Noite [Legendado] Atualizado

ATUALIZAÇÃO: segue abaixo os vídeos sob a perspectiva da Casa Lannister (narrado por Charles Dance como Lorde Tywin) e da Patrulha da Noite (narrado por James Cosmo como Jeor Mormont o Lorde Comandante da Patrulha da noite).

Continuando a publicação dos vídeos da série sobre histórias e tradições de Westeros que estão nos “extras” do Box da primeira temporada, segue abaixo os vídeos sobre a história da Patrulha da Noite.
Os três vídeos completam os extras sobre a história da Patrulha. Os extras fazem parte apenas do BOX de discos Blu-Ray da primeira temporada, para comprá-lo clique aqui.

História e Tradição A História da Patrulha da Noite Casa Stark [Legendado]

Continuando a publicação dos vídeos da série sobre histórias e tradições de Westeros que estão nos “extras” do Box da primeira temporada, segue abaixo o vídeo sobre história da Patrulha da Noite.
Os extras fazem parte apenas do BOX de discos Blu-Ray da primeira temporada, para comprá-lo clique aqui.

Ilustrações do Marc Simonetti para o calendário de 2013

Abaixo vocês vão poder ver algumas artes sensacionais do artista francês Marc Simonetti – o mesmo responsável pelas artes nas capas dos nossos livros brasileiros – para o calendário de 2013 das Crônicas de Gelo e Fogo.
O calendário tem como data de lançamento prevista o dia 10 de julho desse ano e está em pré-venda no Amazon.
AVISO: Os desenhos ilustram passagens de todos os livros, inclusive do livro 5, “A Dança dos Dragões”, que ainda não saiu por aqui por isso, se você é daqueles que evita todo e qualquer tipo de SPOILER por menor que ele seja, talvez seja melhor não prosseguir.
The Kingsmoot

The Kingsmoot

Among the Crows

Among the Crows

 

In The Sorrows

In The Sorrows

 

A New Face

A New Face

Recorde de audiência e notícias da quarta temporada

A audiência do último episódio finalmente ultrapassou os 4 milhões de espectadores! 
Depois de semanas perto da marca de 4 milhões de espectadores para a primeira exibição, a série finalmente conseguiu quebrar esse número! James Hibberd da EW relata que no final da noite passada temporada atraiu 4,2 milhões de espectadores para a exibição inicial e 5,1 milhões no total!
Esses números confirmam que a exibição do episódio anterior, Blackwater, que mostrou a Batalha de Água Negra, só foi ofuscada por causa do feriadão nos EUA (Memorial Day).
PRODUTORES ASSINARAM CONTRATO ATÉ A QUARTA TEMPORADA!
Em notícia relacionada, James Hibberd também informou ontem à noite que a dupla David Benioff e DB Weiss já assinara contrato para mais duas temporadas, o que significa que estarão sob contrato até a quarta temporada, desde que a HBO produza uma quarta temporada.

Saiba mais sobre as Chuvas de Castemere

Charles Dance como Tywin Lannister

Charles Dance como Tywin Lannister

As chuvas de Castamere é uma canção famosa no mundo do Game of Thrones. A versão usada na série de TV foi gravado pela banda de rock norte-americana, The National, e aparece no Game of Thrones Soundtrack Season 2, bem como nos créditos finais para o episódio “Blackwater”.

A canção imortalizada com a destruição da Casa Reyne por Tywin Lannister. Casa Reyne foi destruída depois que eles se rebelaram contra seu senhor , Tytos Lannister, que foi percebido como fraco por seus própios vassalos . Para restaurar o domínio de Tytos Lannister , Tywin Lannister,  marcha contra os Reyne.  Até o final da rebelião, Castamere tinha sido incendiada e todos os membros da Casa Reyne executados.  O título é, portanto, um jogo de palavras, como as “chuvas” a cair nos corredores vazios dos “Reynes” que foram mortos até o último homem.
O leão vermelho dos Reyne confronta o leão dourado dos Lannister

As letras fazem forte referência ao fato de que o símbolo da Casa Reyne também era um leão, mas um vermelho em vez do leão dourado usado como o símbolo da Casa Lannister. A rebelião dos Reynes contra os Lannisters foi assim visto como um choque de leões.

Nas décadas seguintes Tywin jovem reafirmou o domínio da Casa Lannister, esmagando os Reynes, a canção “Chuvas de Castemere” se tornou muito popular entre os soldados Lannister, tornando-se um “hino nacional” não oficial da Casa Lannister . Isso se estende a tal ponto que até mesmo soldados Lannister às vezes se referem a ela simplesmente como “a canção Lannister”.

Veja abaixo Bronn cantanto essa canção um pouco antes da Batalha do Água Negra.