teste

teste

As Doenças De Game Of Thrones

Para conhecer mais sobre o mundo das Crônicas de Gelo e Fogo vamos falar um pouco sobre ás doenças desse universo.

No último episódio da série uma das personagens que nos chamou muito a atenção foi a Princesa Shireen Baratheon filha de Stannis e Selyse Baratheon.

Apesar de toda a sua doçura sua pele tem uma aparência como de escamas ou pedras.

Princesa Shireen e Sor Davos

Princesa Shireen e Sor Davos

E para aqueles que talvez não tenham lido os livros e se sintam um pouco perdidos vamos então dar uma breve descrição de algumas doenças da série:

No universo criado por George R. R. Martin existem religiões, Casas, costumes e nomes propriamente inventados pelo autor, que são de minúcia preciosa e invejável. Logo, quando o assunto se trata de doenças, é claro que não poderia ser diferente.

Além da forte doença mental do Rei Louco, com sua paixão e loucura pelo fogo, e da mistura de venenos mortais da Víbora Vermelha, existem doenças mortais em toda a extensão da ponta esquerda deWesteros até a extrema direita de Essos, assimilando os mesmos parâmetros com o sul e o norte. Aégua branca e a escamagris são as mais destacadas e famosas doenças citadas por Martin e vem fazendo delas o terror de muita gente pela facilidade de contagio das mesmas.

A égua branca

A égua descorada pode ser chamada também de fluxo sangrento, apesar de só ser chamada assim em Meereen. Ela costuma aparecer em lugares miseráveis e descuidados e parece com uma peste, causa mal estar, febre, hemorragia intestinal e disenteria e se espalha com a velocidade que se pega: bem rápido.

A prevenção basicamente consiste em evitar os infectados ou deixá-los em quarentena tendo uma margem falha de 3 mortos a cada 4 infectados. A esperança de vida de um parente leva o alastramento ser considerável a ponto de pegar uma cidade inteira desprevinida. Diz-se que o fluxo sangrento assola os homens e exércitos desde a Era da Aurora e que grupos “atuais” expulsam qualquer membro na mínima desconfiança de portá-lo.

No livro, pode-se encontrar a doença sempre que os povos quando alcançam a miséria em alto nível. Exemplo: Baixada das Pulgas, Porto Real.

Escamagris

Gris significa cinzento azulado. E é essa a cor que a pele atingida pela doença fica, além de escamoso, quebradiço chegando a quase petrificação e por fim uma zona enegrecida. Ela se espalha devagar e é mortal a adultos. Porém, a exemplo de Shireen Baratheon – filha de Stannis – as crianças tendem a viver com as partes afetadas cinzentas apenas ao invés de terem um sofrimento gradativo até a morte e suas línguas e lábios totalmente petrificados. O local afetado fica além de cinza, consideravelmente desfigurado.

Sobre o tratamento existem muitas divergências entre as classes, como a doença parte de um ponto e se espalha acredita-se, popularmente, que a amputação seja a solução, embora não ser totalmente confiável. Num ramo de mais conhecimento, os meistres sugerem usar lima, mostarda e banhos em temperaturas altíssimas como forma de atrapalhar o desenvolvimento da escamagris enquanto os septões acreditam, é claro, na cura através de orações, sacrifícios e jejuns, ou seja, na religião. Os selvagens acreditam que a escamagris é uma maldição e que qualquer portador é impuro e merece ser morto numa relação de temor absoluto com esse mal desconhecido.

Fonte: portalmundonerd